Janeiro 07, 2015Relatos de Uma Blogueira

[Relatos de Uma Blogueira] É TETRA! Quem foi o seu ídolo de infância?

0 Comentários

Ano passado, em especial, eu tive a oportunidade incrível de ter algumas experiências musicais, que acabou dando neste post. 
Eu tenho duas amigas Nadine e Mari que viveram a época do frenesi por Back Street Boys. Atenção: se você tiver mais de 25 anos saber do que eu estou falando. Eu sei que você sabe.

Opção 1: você era freneticamente apaixonada por eles, incluindo as suas amigas, e juntas escolhiam quem namorava com quem.
Opção 2: era freneticamente apaixonada por eles mas hoje em dia não confessa. Nem sob tortura, mas toda vez que ouve alguém falando Back Street Boys vira a cabeça rapidamente, como se estivesse vendo-os pessoalmente.
Opção 3: não gostava, mas sabe de quem se trata.
Se você tiver menos que 25 anos:
Opção 1: sabe do que se trata, como eu, mas é indiferente.
Opção 2:  teve uma irmã mais velha e com mais de 25 anos que te fez ficar viciada.
Opção 3: não sabe do que se trata.
Lembrando que você pode compartilhar o amor (ou não) com as Spice Girls.
O que aconteceu é que eu gosto de ouvir elas falando sobre a paixão delas sobre a boy band, apesar de às vezes ficar perdida, principalmente quando começam a falar do nome deles – eu os conheço apenas por características, tipo o que eu acho mais gatinho, que é o de cavanhaque -, cantam suas músicas e falam de todas as loucuras que fizeram. Acreditem, foram muitas. Boa parte são tão divertidas a ponto de tirar lágrimas dos olhos. Eu vejo minha amiga que não sabe absolutamente nada de inglês cantar todas as músicas com perfeição e a outra que sabe inglês implorar para a mãe que ia para a Europa que se ela esbarrasse com QUALQUER-UM-DELES poderia pedir autógrafo.
Com a nossa diferença de idade que fica de 6 e 8 anos, obviamente, os meus surtos por bandas foram totalmente diferentes. Que eu me lembre, era algo do tipo KLB, Rouge e, com menos intensidade, Br’oz.

Sim, eu tinha um tamanco do Rouge e eu ia para a escola com ele e uma meia colorida até o joelho. E sabem qual era a minha maior loucura? Escrever cartas para as promoções da rádio e deixar “escondidas” embaixo do travesseiro (onde a minha mãe sempre encontrava). Na adolescência: Avril Lavigne, CPM 22, Charlie Brow Jr., Guns n’ Roses e o que mais estivesse tocando na rádios.

O fato é, que além do KLB que eu escrevi as cartas, eu nunca fui fanática por nenhuma banda E também tinha o fator mãe. Ela nunca foi dessas de levar em shows, eventos e blá. Quer curtir? Ahãm, faça isso ouvindo música e só. Hoje em dia, os fãs fazem loucuras, pintam quadros, gravam vídeos, cortam a roupa fora, costuram ela de volta, ficam HORAS e HORAS em filas (sério, isso é algo que eu ainda não consigo entender), fazem tatuagem…

E AÍ CHEGAMOS NO PONTO QUE EU QUERO.

A Nadine tem um estagiária que é simplesmente a-pai-xo-na-da pelo Luan Santana. Tem, INCLUSIVE, uma tatuagem com o N-O-M-E dele escrita no pulso.

E este post nem é para julgar o gosto musical nada confiável dela, okay? Muito menos a tatuagem.

E em dezembro, para os fãs e não fãs, teve a gravação do DVD dele em São Paulo e todos os sites de entretenimento explodiram em promoções de todos os tipos. E a estagiária, claro, enlouqueceu junto. Fez um vídeo com o amigo de cair no chão de vergonha e teve uma incrível promoção que consistia em: tirar uma foto representativa dos anos 50 e 60 (já que é o tema do DVD, que eu também não tecerei comentários a respeito). Num braimstorm frenético chegamos a conclusão que: ela poderia tirar uma foto na lanchonete da cidade que é bem característica com roupas representativas da época. Para nossa alegria ela tinha também um pôster gigante do moço, que levamos também.

O resultado foi a foto abaixo:

Eu apareço nesta foto, já que fui Luan Santana por alguns minutos. SIM, eu estou bem segurando o pôster. E, para nossa surpresa e incredulidade, A ESTAGIÁRIA GANHOU A PROMOÇÃO!

Juro
Por
Deus
Que
Não
É
Brincadeira

E nós comemoramos a base do É TEEEEEEEEEEEEEEEEEETRA! *cambalhotas, saltos, giros, gritos, sorrisos, emoção*


Segundo as informações transmitidas através da pessoa que telefonou avisando sobre o prêmio, foram enviadas +/- 15.000 fotos e 10 foram selecionadas. Juro, eu fiquei tão feliz por ela que foi como se eu mesma tivesse ganhado. Foi uma correria para chegar até a lanchonete, depois ela se arruma, pede suco e hambúrguer, agora segura o pôster, olha para cá, arruma o canudinho na boca do Luan… Ei, o canudinho tá no nariz dele, arruma de novo.

Os nossos sentimentos como fãs vão e vem. É muito mais fácil para a minha geração entender o que isso significa do que para a geração dos meus pais, por exemplo. Hoje em dia, você consegue ter contato com aquele ídolo pelas redes sociais, encontrá-lo na rua, participar de promoções. E o seguinte é: sempre vão ter pessoas que serão especiais a ponto de arrastarem multidões e serem sucesso extremo (Beatles, Guns n’ Roses, É o Tchan, Bruna Vieira, Elvis Plesley, Justin Bieber, J.K Rowling, One Direction, Meg Cabot e ∞ mais). Eu acredito que devemos fazer aquilo que está ao nosso alcance – sem  machucar nem ofender – para realizar os nossos sonhos.

Um dia, você virá para trás e vê quanta idiotice já fez e acaba rindo. Rindo. E rindo.

Sem contar que as amizades que você faz no processo nunca deixarão você esquecer o que foi capaz de fazer por alguém. Que certamente nem sabe quem você é.

posts relacionados

Deixe seu comentário

Vídeos no canal

@equalizeleitura
© 2018 Equalize da Leitura • equalizedaleitura.com.brDesenvolvido com por