abril 24, 2016Editora Intrínseca, Resenhas

[Resenha] Cidade dos Etéreos

0 Comentários

Título: Cidade dos Etéreos Título original: Hollow City Autor: Ransom Riggs Ano: 2016 Editora: Intrínseca Número de páginas: 384

Eu gosto muito, muito mesmo da maneira como o autor escreve – leve, com uma pitada de cinismo e outras tantas zombaria.

Veja a resenha de O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares. 🙂 Eu escrevi a resenha e também gravei um vídeo, podem conferir das duas formas! ♥

Partindo da verdade que eu só conheci o Ransom por causa dessa edição e desse livro maravilhoso que a Intrínseca publicou, podem acreditar que eu estava bem ansiosa para por minhas mãos nele e meus olhos em cada palavra, para absorver cada linha do que o autor tivesse a me oferecer. Eu estava curiosa, com olhinhos brilhando de ansiedade.

Como no vídeo eu acabei falando mais as minhas impressões de como eu acabei chegando até e lendo o livro, vou fazer um resumo bem básico do anterior aqui.

Em O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, as crianças tiveram que sair da sua fenda temporal – existem várias delas pelo mundo, cada uma com sua Ymbryne, protegendo e cuidando das crianças peculiares – de 3 de setembro após sofrer um ataque dos acólitos – os monstros que matam as crianças peculiares, mas que são invisíveis aos seus olhos, menos para Jacob que os sente e vê. Esses acólitos, juntamente com os Etéreos  estão raptando todas as Ymbryne, para que possam formar um exército muito maior, mais forte e desenvolvido de Etéreos. A Srta. Peregrine foi sequestrada, mas as crianças conseguiram recuperá-la e agora precisam encontrar outra fenda temporal e uma Ymbryne que possam ajuda-los a trazer a Srta. Peregrine de volta a forma humana, já que ela ainda está no corpo de um pássaro.

Em Cidade dos Etéreos vamos acompanhar a aventura dessas crianças, através das fendas temporais, passando por vários desafios para evitar os acólitos, usando seus poderes de uma maneira que nunca lhe foram autorizados antes e tentando sobreviver. Vão encontrar outros peculiares nessa trajetória, pessoas para ajudar e outros em quem vão aprender a julgar o caráter e confiança.

Jacob lidera essa empreitada, juntamente com Emma, Bronwyn, Milliard, Olive, Horace, Enoch, Hugh, Claire e Fiona uma vez que ele decidiu por não voltar para o presente e para os seus pais. Eles vão atrás de outra Ymbryne que possa ajuda-los, mas não conseguem nem saber por onde começar a procurar. Com dicas que vão surgindo de acordo eles vão completando cada obstáculo – e a ajuda de cada um dos peculiares e suas habilidades – eles vão atravessar mares, lama, fendas temporais, um circo, matar acólitos, lutar contra etéreos, uma cidade de gelo até que conseguem, finalmente, encontrar uma Ymbryne que vai ajuda-los! Eles não esperavam, contudo, que uma pessoa fosse se revelar e destruir todos os planos, atrasando ainda mais a luta das crianças e mostrando que para ganhar a batalha, terá que ser feito um esforço muito maior e juntar todos os peculiares e suas habilidades para enfrentarem, finalmente, os Etéreos.

IMG_8215

Eu gosto muito, muito mesmo da maneira como o autor escreve – leve, com uma pitada de cinismo e outras tantas zombaria, que é algo sutil e não muito extravagante – e consegue ambientar cada cena que está narrando, que juntamente com as fotografias presentes nas páginas do livro, dá ainda mais veracidade. Eu gosto como ele conduz os personagens, como em cada página é como se o trecho de um círculo fosse sendo completado, para que no final, o ciclo seja completo, independente se é para uma coisa boa ou ruim.

Nesse livro, porém, eu senti que eles ficaram correndo de um lado para o outro e tiveram muita sorte em boa parte do que aconteceu, mesmo sendo crianças com poderes, pois elas não tem muita habilidade em usá-los, o que acabou me deixando um pouco desacreditada dos fatos. É algo ruim? Não, até porque no final do livro tem uma explicação para essa sensação – explicação essa que não foi muito convincente aos meus olhos, mas tudo bem. Mesmo assim, você não consegue abandonar, pois o livro te prende de uma maneira desconcertante, com a sensação de que está agarrado em você e que não ler é algo errado.

Eu tive essa sensação.

E fui lendo aos poucos para não terminar rapidamente.

IMG_8413

Em Cidade dos Etéreos também fica mais claro os objetivos do Jacob e a importância dele para o que vai acontecer no terceiro livro. O romance que o autor coloca entre ele e a Emma é algo que eu meio que ‘deixo passar’, sabe? Eles não me convencem como o casal, mas o autor constrói a história deles como algo importante a ser levado em conta, mas que, na verdade, não é algo tão grandioso assim. Pode tornar-se? Claro. Mas, por enquanto, são apenas duas crianças (pois é, não consigo imaginar o Jacob nem como adolescente) vivendo o primeiro amor.

Todas as crianças têm a sua importância e elas aparecem de acordo é necessário, não sendo esquecidas no meio caminho, como acontece em boa parte das vezes que temos muitos personagens importantes em um livro. Claro, alguns se destacam mais que outros, mas todos dão o ar da sua graça e mostram quão especial são. Sendo um livro transitório – e como ocorre em boa parte dos segundos livros de qualquer série – não é o meu preferido. Não digo que detestei o que li, pelo contrário, adorei! Mas não teve o efeito devastador e alucinante que eu aconteceu com o primeiro. Talvez seja a ‘maldição dos segundos livros de séries’? Talvez, mas fez com que eu ficasse ainda mais ansiosa pelo terceiro, que esse sim, eu tenho (quase) certeza que vai ser fantástico!

Fazia muito, muito, muito tempo mesmo que eu não tive em mãos uma versão tão linda de um livro. Tenho muitos livros que eu acho a capa bonita, a diagramação, algum traço característico… Mas aqui é um conjunto completo: a editora fez um trabalho tão bonito e bem feito que é impossível não ficar admirando o início de cada capítulo que se destaca em uma página inteira, os arabescos no rodapé que traz um charme para cada página, a capa dura para arrematar de vez o coração dos leitores. Eu até ousaria dizer que é o livro mais bonito que eu tenho na minha estante. Não há do que reclamar.

posts relacionados

Deixe seu comentário

Vídeos no canal

@equalizeleitura
© 2018 Equalize da Leitura • equalizedaleitura.com.brDesenvolvido com por