setembro 15, 2016Editora Bertrand, Resenhas

[Resenha] Antes de Partir

4 Comentários

Título: Antes de Partir Título original: Before I Go Autora: Colleen Oakley Ano: 2016 Editora: Bertrand Número de páginas: 322

É um livro singelo, cheio de amor e ternura, tristeza e drama e acredito que não tinha como fugir muito disso.

Antes de Partir é o típico livro que entra para a a categoria ainda não categorizada, mas que parece com outros como Como Eu Era Antes de Você e O Primeiro Último Beijo. Se você já leu algum desses livros e gostou, pode se jogar sem medo e começar a leitura.

c360_2016-08-17-08-51-11-055

Daisy é a nossa personagem principal. Ela teve câncer de mama, mas fez tudo que precisava para se curar da doença: quimioterapia, raspou os cabelos, tomou os remédios e recebeu a maravilhosa notícia que estava curada! Quatro ano depois ela recebe uma temível ligação falando que o câncer estava de volta e, dessa vez, ela teria no máximo, 6 meses de vida. Como contar essa notícia para a mãe que só sabe chorar desde sempre e para o marido, Jack, com quem todo ano eles comemorar o câncerversário?

Sem um propósito de vida, já que tudo a lembra que não adianta investir muito esforço em nada, afinal de contas Estou morrendo, vida!, ela começa a preencher com ainda mais afinco a sua lista, já que com elas sabe lidar. E um dos seus questionamentos é: como Jack ficará quando eu morrer? Daisy é metódica, tudo precisa ser seguido restritivamente a sua lista de afazeres enquanto Jack é o seu oposto. Quem cuidará do homem que foi/é o amor da sua vida, que é super inteligente, apaixonado por animais e sonha em ter filhos para fazer fazendinhas de formigas? Daí, ela começa a ter um propósito: preciso encontrar uma esposa para o meu marido, antes de que eu morra.

Quando eu terminei de ler o livro, fiquei achando que a proposta dele era tão boba, afinal de contas, você está morrendo e ainda fica se preocupando com a felicidade dos outros! Esse, talvez, seja o pensamento de uma pessoa que não é casada e nunca se dedicou a outro alguém dessa maneira. Daisy é tão apaixonada por Jack quanto ele por ela e você acompanha como a doença acaba influenciando na vida dos dois.

Daisy vai afastando seu marido de acordo você vai lendo: eu posso fazer isso, eu não quero você fazendo aquilo comigo, não o quero aqui. Jack, paciente, respeita sua opção apesar de ficar muito claro o quanto sofre por estar sendo afastado, quando o que mais queria era estar ali, emanando e demonstrando o quanto a ama.

c360_2016-08-14-11-07-57-331

Nossa personagem tem um jeito próprio de ser e isso traz uma graça irresistível para quebrar um pouco a tensão que é acompanhar o sofrimento de uma pessoa com câncer e como são suas batalhas diárias para manter a própria sanidade diante da perspectiva de morte. Um dos pontos que mais mexeu comigo foi ler e descobrir que todos os sonhos que foram criados não seriam realizados, que o esforço de duas pessoas que se amam não valeria para nada, porque a Daisy estava… morrendo. Me dói o coração só de escrever isso. É triste em vários níveis.

Eu precisava de você e errei quando disse que não precisava.

É um livro singelo, cheio de amor e ternura, tristeza e drama e acredito que não tinha como fugir muito disso. Me tocou a forma verdadeira como a autora nos apresenta a Daisy: em alguns momentos vai ser inevitável achá-la egoísta e insensível, pensando apenas em si que está morrendo e aí você percebe que essas ações são completamente aceitáveis, caramba! Ela está morrendo, ela está sofrendo, não está sabendo como agir! Mas aí conhecemos uma Daisy frágil, com medo de morrer, de perder tudo o que conquistou, de deixar para trás as pessoas que amam. Isso sim foi sincero e verdadeiro para mim, pois é assim – ao meu ver – que as pessoas reagiriam. Ninguém é forte e destemido para sempre, principalmente em um situação dessa. E ao mesmo tempo acompanhamos todo o seu processo de lutar por algo que é invencível, apenas pelo fato de que o tratamento pode trazer mais alguns dias de vida

O problema aqui seja, que talvez, a autora não tenha conseguido conquistar os leitores de maneira sincera, já que a sinopse não deixa muito a imaginar para o final. Você já começa o livro sabendo o que esperar, sem nenhuma grande surpresa. A escrita é maravilhosa, dosando entre altos e baixos, mas em alguns momentos eu não me senti totalmente ligada ao que estava lendo.

posts relacionados

Deixe seu comentário

4 Comentários

  • G. Gonzatti
    14 outubro, 2016

    Também achei que fosse da Jojo Moyes esse livro. Nunca vi a capa “pessoalmente”, mas nas fotos tá linda demais, preciso ter na minha estante kkkk Adorei a resenha 😀

  • Agatha
    23 setembro, 2016

    Heyyy
    Quando vi esse livro na bienal, pensei em comprar achando que era da Jojo Moyes, as capas são muito parecidas. Gostei da ideia da história, vou adicionar a minha lista.
    Amei suas fotos ??

  • Raissa Novaes
    17 setembro, 2016

    Olá Raphaela!
    Eu me apaixonei por esse livro desde que vi essa capa *-*
    Imaginei que ia ser parecido com os livros que eu tenho o hábito de ler, e não tem jeito eu sempre acabo indo para esse genêro de leitura.
    Eu ansiosa para ler, mesmo meio que prevendo como será o fim.
    Parabéns pela resenha e pelas fotos, adorei!

    Beijos!

  • Jéss
    16 setembro, 2016

    Eu estava meio desanimada com a história desse livro, mas agora não tenho mais dúvidas… Simplesmente _preciso_ ler!! 🙂

  • Vídeos no canal

    @equalizeleitura
    © 2019 Equalize da Leitura • equalizedaleitura.com.brDesenvolvido com por