setembro 24, 2016Editora Galera Record, Resenhas

[Resenha] Silêncio

0 Comentários

Título: Silêncio Título original: Soundless Autora: Richelle Mead Ano: 2016 Editora: Galera Record Número de páginas: 279

Nunca pensei que eu chegaria a esse ponto de dizer que eu simplesmente detestei um livro da Richelle Mead, mas eis que o momento chegou e eu tenho que aprender a lidar com isso.

Nunca pensei que eu chegaria a esse ponto de dizer que eu simplesmente detestei um livro da Richelle Mead, mas eis que o momento chegou e eu tenho que aprender a lidar com isso. Vida que segue e eu conto para vocês os motivos. Quem já leu qualquer outro livro da autora, sabe que ela adora escrever sobre mitologias e outras crenças e faz isso de maneira magnífica. Somos apresentados a cultura chinesa, uma bem rica e cheia de detalhes.

c360_2016-06-18-13-58-13-567

Fei mora em um vilarejo onde todos são surdos. Absolutamente surdos, sempre foi assim. No alto da montanha onde vivem todos trabalham nas minas ou na escola, onde são aprendizes. E isso é o que Fei e a irmã são: aprendizes, sendo que Fei é a mais talentosa da classe. As castas são respeitadas e os mineradores não devem interagir com os demais da escola, pois essas castas influenciam na quantidade de alimento que cada um do grupos recebe. E essa quantidade é mínima e chega através de um sistema de cabos de Beiguo – um distante e misterioso  reino da qual eles não têm conhecimento.

O problema todo começa quando os moradores começam também a ficarem cegos, as remessas diminuem consideravelmente e se ele já viviam à beira da miséria, o quadro muda drasticamente, ficando ainda pior. Fei sente que algo que está estranho quando percebe que sua audição está voltando e sem nenhum motivo aparente. Confrontada por situações adversas, ela se junta com Li Wei, um jovem minerador, um amigo do passado.

Ouvindo e podendo avisar quando os deslizamentos ocorrem, ela e Li vão descer a montanha em busca daqueles pessoas que querem minérios e enviam pouca comida, para tentarem entender a situação deles – porque eles podem viver algo pior do que a deles! – e explicar que lá em cima não está nada bem. Ela não esperava encontrar nada do que encontro na base da montanha e sendo assim, seu objetivo muda de rumo e ela precisa entender quais são os segredos que esse lugar novo esconde, antes de voltar e compartilhar com o próprio povo.

c360_2016-06-18-14-13-25-706

Tive muita dificuldade em continuar a leitura do livro, pois até a metade dele somos apresentados a história em longos blocos de textos e pouco diálogos. Esse último é algo que me confrontou durante toda a leitura: é complicado você traduzir para o livro a linguagem de sinais, já que não é uma linguagem escrita. Mas gente… não são diálogos de qualquer forma? Por que raios colocaram os textos todos estranhos e esquisitos em itálico, como se fossem apenas um texto destacado e não um diálogo? Qual a dificuldade de colocar isso com travessões, para facilitar a leitura? Falha da autora, da editora? Não sei, só sei que é péssimo que ninguém tenha pensado nisso em nenhum momento.

Como a Fei começa a ouvir novamente, somos apresentados a outros grandes blocos de textos e explicações e detalhes sobre como ela está descobrindo os sons. Eu acho ruim? Não acho, mas dentre tantas outras coisas que já estavam me incomodando, foi apenas mais um ponto para que eu ficasse: Rich, por que está fazendo isso comigo?

Em resumo: ela teve uma ideia muito boa, mas que em alguns momentos é difícil de ser traduzida para o papel, aí acabou bagunçando tudo de uma vez.

Quanto a  história: a Richelle tem essa pegada de fazer seus personagens se mostrarem fortes, decididos e eu gosto verdadeiramente disso. Fei e Li Wei fazem uma dupla incrível e tudo que eles descobrem na base da montanha é fascinante. Isso ela casa bem com a parte do questionamento social mesmo, do tipo: por que isso sempre foi assim e ninguém nunca se perguntou o por quê? Que é outro fato que eu gosto muito, pois traz trama e agilidade pra o tema que ela está expondo. E essa parte é a mais legal do livro inteiro. É quando você começa a descobrir verdadeiramente tudo que está acontecendo e a ação se mostra, junto com os elementos da cultura chinesa. É incrível, sério.

Aí depois, da metade para o fim, somos apresentados a questões mitológicas, ainda relacionadas a cultura chinesa, que eu achei extremamente forçadas, porque o livro de nenhuma maneira tinha deixado a sensação ou abertura para inserção de criaturas mágicas, poderes sobrenaturais ou algo desse tipo: era uma comunidade que estava sendo escravizada por outro povo  ninguém sabia os motivos. Até que você está envolvido com uma parte mística que apesar de ter uma história fofinha eu achei em forçadinha.

Vacilou, Richelle.

c360_2016-09-25-20-16-53-459

Enfim, não é nem de longe o melhor livro da autora e acredito que foi por diversos fatores. Obviamente que a culpa maior cai sobre ela por ser a escritora, mas o processo todo – ao meu ver – teve falhas que dificultaram a leitura do livro. Não falo para não lerem, mas para se preparem para algo diferente do que estão acostumados da autora.

posts relacionados

Deixe seu comentário

Vídeos no canal

@equalizeleitura
© 2018 Equalize da Leitura • equalizedaleitura.com.brDesenvolvido com por