Editora Arqueiro, Resenhas

gsTítulo: Um Novo Amanhã Título original: The Next Always Autor: Nora Roberts Ano: 2016 Editora: Arqueiro Número de páginas: 320

É um enredo simples e sem surpresas, mas os livros dela geralmente são um conforto para mim e é a isso que se propõem.

Um Novo Amanhã é o primeiro livro da trilogia A Pousada, a qual já li no idioma original, este primeiro livro é meu favorito. Não muito difícil considerando que é da minha rainha Nora Roberts, e contém tudo o que adoro nos livros dela: uma protagonista feminina guerreira, um protagonista masculino encantador, personagens coadjuvantes sensacionais, sentimento, uma história que prende.

A vida de Clare Brewster sofreu uma grande reviravolta com a morte de seu marido, buscando algum conforto ela retorna a sua cidade natal Boonsboro com seus três filhos para tentar se reerguer. Por coincidência, sua nova casa fica diante ao Inn Boonsboro, local que já passou na mão de vários donos sem sucesso e havia o rumor de ser mal assombrado, e agora estava sendo reformado sob a responsabilidade de família Montgomery.

É sobre nós. É sobre confiança.

Beckett Montgomery é apaixonado por Clare desde que ele tinha dezesseis anos e quando descobre que ela está de volta após uma tragédia, dispõe-se a ajudá-la no que precisasse, afinal tinham sido amigos por muito tempo. Ela não estava procurando por um novo amor, mas talvez fosse o que estava precisando. Em meio a reaproximações e novas chances, a matriarca da família Montgomery e seus três filhos se empenham em revelar o potencial que a pousada tem, ainda que haja algo invisível que habita o lugar e que por alguma razão não quer que eles tenham sucesso.

Primeiramente, eu sou completamente apaixonada pelo Beckett. Ele é incrivelmente doce, gentil, prestativo, honesto e aquele tipo de personagem que eu queria poder abraçar e dizer “obrigada por existir”. A Clare é para mim um exemplo de mulher e de mãe, porque não sucumbir às obras do destino quando ele te sacaneia requer coragem e fazer tudo isso ainda sendo a melhor mãe possível para três garotos levados? Admirável. Vi muitas opiniões negativas a respeito desse livro, o que na verdade não entendo, mas a verdade é que o adorei. Acho que é extremamente família e que mostra a força de um sentimento que durou por anos sem ressentimento, assim como mostra a esperança de um recomeço tão bom quanto da primeira vez.

Ele ficou por quase uma hora. Claria teria o beijado de novo só pelo fato de que ele ter divertido tanto seus filhos. Ele nunca pareceu entediado ou irritado com uma conversa cheia de super heróis, seus poderes, seus parceiros e seus inimigos.

Beckett é extremamente carinhoso com os filhos da Clare sem em nenhum momento querer se colocar como um “pai substituto”, ele sabia seu lugar e mais do que isso sua intenção era ajuda-la. Gosto da forma como o relacionamento entre eles se desenvolve sem pressa, com fundamento, com motivo, sabe? É maduro e basicamente lindo. E tenho amor especial por livros que envolvem crianças, isso é um fato. Para mim esse daqui só acerta.

Você está seriamente falando sobre um fantasma. Este prédio – ou partes dele – está aqui por dois séculos e meio. Ia me soar bem estranho se não houvesse um fantasma. Nem tudo, todos, vai embora.

Não vi o aspecto do “fantasma” na história como especificamente necessário, mas ele não atrapalha o andamento do livro, só descobrimos a realidade sobre isso no último livro mesmo e faz sentido, mas não é a alma dos livros. Os momentos entre Beckett e seus irmãos Owen e Ryder são espetacularmente engraçados; o segundo livro traz a história de Owen e o terceiro de Ryder. E a mãe dos três é maravilhosa, virei tiete.

Mas sabe qual a melhor parte desta trilogia? Vou contar a vocês: Boonsboro fica na cidade de Maryland, onde Nora resida, e esse Inn realmente existia. Nora, isso mesmo a Nora, junto a seu marido comprou o local e o reformou, assim como a família faz na história, exatamente nos moldes em que ela descreve no livro; na verdade o estabelecimento é uma mistura de Bed & Breakfast com Boutique Hotel.

Harry, eu te prometi uma coisa. Eu disse que falaria com você antes de pedir a sua mãe para casar comigo. Eu preciso que me diga que está tudo bem eu pedir a ela.

A característica mais legal na pousada é o fato de que os quartos possuem nomes de casais famosos da literatura como Elizabeth & Darcy de “Orgulho e Preconceito” por Jane Austen, Jane & Rochester de “Jane Eyre” por Charlotte Brontë, e não poderia faltar o casal mais aclamado da autora: Eve & Roarke, da série Mortal. É tudo verdade, podem procurar no Google o site do lugar – ele é lindo demais e só aumentou ainda mais a minha vontade de ir para Maryland. O hotel fica em frente a livraria do marido da Nora, Bruce, que tem uma sessão dedicada a ela que é de babar.

Casais românticos. Cada um tem seu próprio sabor, seu próprio sentimento.

Então, minha gente, é isso. Ela tornou impossível que eu não me apaixonasse pela magia dessa história. É um enredo simples e sem surpresas, mas os livros dela geralmente são um conforto para mim e é a isso que se propõem, então para mim eles sempre entregam. Recomendadíssimo. Espero que coloque um sorrisão no rosto de vocês.

Bienal, Editora Arqueiro, Editora Galera Record, Editora Intrínseca

capabienal2015

E o primeiro final de semana demorou a chegar, chegou e passou! Eu consegui gravar um pouco da correria, emoção, pessoas nas filas, cansaço e mostrei como foram os meus dias por lá. Eu passei muito mais tempo em filas do que visitando estandes e encontrando pessoas, mas estarei de voltar no próximo final de semana para compensar tudo isso! Querem ver o que aconteceu e acompanhar tudo? Só dar play no vídeo e se divertirem comigo!

Fiquem ligados que o próximo final de semana está vindo e eu quero aproveitar demais!

BEDA, Editora Arqueiro, Resenhas

gsTítulo: A Voz do Arqueiro Título original: Archer’s Voice Autor: Mia Sheridan Ano: 2015 Editora: Arqueiro Número de páginas: 336

Acho que no final do livro as coisas se encaixam muito perfeitamente […]  Na vida real não acredito que teria sido assim, mas é ficção, neste ponto é perdoável. É um livro muito fofo.

Que saudade de vir aqui! Que delícia eu voltar falando de um livro que achei tão fofo como Archer’s Voice. Mas primeiramente, eu preciso comentar que: no que estavam pensando quando traduziram o título deste livro? Archer’s voice se traduz Voz de Archer – Archer sendo o nome de um dos protagonistas. Por que cargas d’água resolveram traduzir um nome próprio? De verdade. Quando vejo esse tipo de coisa, me convenço cada vez mais que não existem revisões de nenhum trabalho hoje em dia. Não é um erro muito difícil de se perceber, alguém que fosse ler a sinopse do livro notaria que Archer é um nome próprio. De todo o modo, vamos ao livro.

A primeira protagonista que conhecemos é Bree Prescott. Bree se muda para Pelion, no Maine, depois da morte de seu pai buscando, para todos os efeitos, uma “mudança de ares”. Desde o início percebemos que havia uma motivação maior em ela querer deixar para trás a vida que tinha em função de uma mudança; mudança que precisava. Típico de cidade pequena, quando ela chega a cidadezinha logo vira notícia no local e atrai a atenção de todos. De cara, ela se sente bem no lugar, apesar dos olhares curiosos, principalmente quando conhece o recluso Archer Hale, alguém que morava ali desde que nascera e era ignorado por todos. Bree queria conhecer sua história e saber porque se esforçava tanto em parecer invisível.

A premissa da história me encantou imediatamente; acho que já comentei em alguma outra resenha que adoro um personagem atormentado, principalmente quando homem. Lol. E a capa do livro (felizmente mantida na versão brasileira) me chamou atenção porque é linda. E o livro é muito, muito fofo. Eu tive alguns por menores com o desenvolvimento em si, mas eu recomendaria.

Uma série de encontros por obra do destino (e também do cachorro de Bree) aproxima os dois, e Bree descobre algo que contribuiria para a reclusão de Archer: ele é mudo (está aí a justificativa do título do livro). Apesar de ele demonstrar claramente que não deseja companhia, amizade e muito menos o interesse de alguém, Bree vai se tornando cada vez mais importante para ele e vice e versa. Uma capacidade incrível que Archer tinha de expressar tanto sem precisar falar. Acho que me apaixonei por ele no instante que apareceu pela primeira vez e não porque ele foi gentil ou sedutor ou prestativo, muito pelo contrário. Mas se ele fosse alguém que eu conhecesse, diria que ele seria uma daquelas pessoas que te passam uma energia muito boa e como resultado, você quer passar mais e mais tempo com essa pessoa.

O livro se desenrola e outros personagens surgem, com eles segredos que envolvem uma tragédia que aconteceu há mais de uma década na cidade e que ocasionou a condição em que Archer vivia. Lobos disfarçados de cordeiros fingindo querer ajudar, drama familiar, disse me disse… E os dois tentando passar por tudo isso, juntos. Não era fácil. Archer havia se acostumado a viver sozinho, a não se comunicar profundamente com ninguém há tanto tempo que tinha dificuldade em se relacionar com Bree. Mas isso também atribuiu a ele uma inocência, uma pureza, e uma bondade que você dificilmente encontra em um adulto que se formou em sociedade. Um adulto que já foi, por assim dizer, “contaminado”.

Eu mudaria uma coisa ou outra que autora optou por adicionar ao livro. Acho também que em determinado momento Bree estava concentrada demais em tirar Archer de sua “casca” e apresentar ele ao mundo, mudando assim a pessoa que ele era. E não se deve buscar mudar ninguém. Ela tinha boas intenções sim, mas acho que devia ter atentado primeiro ao que ele queria. Ao que ele precisava. E de fato o que ele queria simplesmente era estar com ela, simples assim.

Acho que no final do livro as coisas se encaixam muito perfeitamente, de um jeito surreal. Na vida real não acredito que teria sido assim, mas é ficção, neste ponto é perdoável. É um livro muito, muito, muito fofo. Acho que é a terceira vez que digo isso, lol. E o meu único arrependimento aqui é que Archer não existe. De verdade, ele seria uma pessoa maravilhosa para se ter ao lado na vida. Seja como um amigo, amante, ou simplesmente alguém que manteve um coração bom apesar de tanto mal acontecendo ao nosso redor.

Editora Arqueiro, Editora Galera Record, Editora Intrínseca, Editora Novo Século, Vídeos

livros favoritos

UEEEEEEEEEEEEEEPA que eu estou demais sendo a Rapha do Equalize dos Vídeos KKKK Aproveitei uns ‘diaszinhos’ de folga que eu peguei no trabalho para gravar muita coisa para vocês. *pisca,pisca,pisca*

Hoje mesmo eu conto para vocês quais foram os meus 5 livros preferidos do ano passado! Vem assistir! 🙂

Aproveitem para seguir o blog nas redes sociais!

____________________________

→ Twitter: https://twitter.com/EqualizeLeitura
→ Facebook: https://www.facebook.com/EqualizeLeitura
→ Instagram: https://instagram.com/equalizeleitura
→ Youtube: https://www.youtube.com/user/MrsRaphilicious/videos

____________________________

Assista aos Vídeos
Equalize da Leitura © 2010 - 2016 ♥ Todos os direitos reservados
Tema desenvolvido por Débora M.