Editora Jangada, Livros Nacionais, Resenhas

gsTítulo: Tempestades de Sangue Título original: Autor: Kel Costa Ano: 2015 Editora: Jangada Número de páginas: 302

O livro foi o balanço de comparações entre o primeiro e o segundo para mim. Algumas coisas não curti verdadeiramente, outras adorei.

Um ano depois, tenho mais uma vez o prazer de ler algo da Kel. Estou falando de Tempestades de Sangue, segundo livro da série Fortaleza Negra, que vocês podem ler a primeira resenha aqui.

Depois da guerra com os mitológicos, quatro dos cinco Mestres viajam para tentar encontrá-los e atacar antes de serem atacados. Sasha está em luto pela morte da amiga e fica desesperada quando descobre que Mikhail saiu da Fortaleza sem se despedir, em um momento delicado como aquele. Enquanto espera pelo retorno dele, tenta descobrir de Blake toda e qualquer informação a respeito da Exterminator, a arma que pode ajudar a matar os mitológicos mas que também pode destruir os vampiros e acabar com o mundo como conhecem.

Com a guerra iminente, Sasha se aproxima do único Mestre que se manteve na Fortaleza Negra e tenta se preparar para os desafios que tem certeza que irá enfrentar.

IMG_4341

É fato que eu estou me tornando mais exigente com as minhas leituras e, consequentemente, com os autores. Se no primeiro livro a Sasha me irritou, neste continua. Simplesmente não consigo gostar dela como protagonista e olha que eu busquei uma evolução nela, principalmente depois do final do primeiro livro, mas continua sendo a mesma garota que, por vezes, é imatura e totalmente inconsequente. Com o intuito de ajudar alguns, acaba atrapalhando tudo. Okay, é algo que realmente pode acontecer, tudo dar errado enquanto você tenta contribuir, mas no caso dela isso se torna muito falso, do tipo: eu sei que estou fazendo besteira mas vou fazer do mesmo jeito.

Enquanto no primeiro eu comecei achando que não iria me enturmar e fui sendo conquistada e não percebi quando eu estava desesperada lendo, esse aqui foi bem… morno. Eu conheci um Sasha depressiva por causa da morte da amiga, ainda agindo impulsivamente e se metendo em encrencas e eu apenas suspirava e pensava: ‘Não é possível que isso vai continuar.‘ pois dava a sensação de já ter lido aquilo diversas vezes. O Mikhail continua sendo uma incógnita e não desperta nada de entusiasmo em mim. Os demais personagens aparecem com algumas frequência e ainda gosto muito do Kurt, apesar dele agir como idiota algumas vezes. Os personagens novos que são inseridos aqui aparecem com a frequência devida e tem suas cotas de importância.

O livro tem muito texto que simplesmente não contribui para a fluência da história e como na metade  já temos uma guerra acontecendo, até chegar no final, achei muito mais ‘textos para preencher capítulos e dar andamento‘ do que algo que concretamente traria alguma dinâmica para a história e contribuiria para o enredo, de fato.

IMG_4338

E mais uma vez: o livro tem seus pontos altos e pontos baixos. O primeiro me faz acreditar que a história ainda tem muito potencial para ser explorado e eles são incrivelmente bem escritos e faz eu ficar realmente animada e não desgrudar do livro. O segundo me faz ficar chateada de não encontrar algo congruente para o que está acontecendo. Eu estava esperando mais sangue, mais guerra, mais sobre os mitológicos, mais sobre eles se enfrentando, mais sobre como a guerra seria conduzida. Mais, mais, mais.

E aí eu chego até o final, que é isso: É INCRÍVEL, É DINÂMICO, CHEIO DE AÇÃO E FAZ VOCÊ FICAR CURIOSO E ATENTO E EM TRANSE E DE REPENTE… acaba! Sim, como no primeiro livro, a Kel finaliza este em um momento importante e que me fez ficar curiosa a respeito. Acredito no potencial da história, mas dessa vez realmente não consegui me conectar, mesmo com a abordagem diferenciada da autora, trazendo mudanças de pontos de vistas de vários personagens – que eu gosto muito, pois traz uma visão mais abrangente do que está acontecendo.

O livro foi o balanço de comparações entre o primeiro e o segundo para mim. Algumas coisas não curti verdadeiramente, outras adorei. Não é um livro ruim, pelo contrário. A autora continua escrevendo muito, inserindo quando é preciso traços históricos e até conta um pouco mais a respeito de como os Mestres surgiram (essa é uma das partes OUUUUW!), contudo, não foi algo que evolui como história para mim. Parece que estamos no mesmo ponto desde o momento que a Guerra explodiu. Gosto muito mais do trabalho realizado nesta capa do que no primeiro, ficou mais limpa e textos dispostos de maneira mais harmônica. A diagramação também ficou bacana e pesquei apenas um ou dois erros de digitação, como falta de vírgula.

E-Book, E-Reader, Livros Nacionais, Vídeos

leituras do mes

Olaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaar! Como estão? Eu estou a todo vapor com as minhas leituras – que estão fracas KKKK – e com os preparativos para a Bienal. O curioso é que eu estou realmente animada para a feira em setembro, vamos torcer para que tudo dê certo! 😉

Fora isso, vim contar para vocês quais foram os livros que eu li em J.U.N.H.O! Eu li poucos livros e boa parte deles em e-books e nem todos foram boas escolhas, mas eu falo os motivos no vídeo!

Não esqueçam de se inscreverem no blog! Estou quase chegando aos 1.000 inscritos e quase não acredito!

Editora BelasLetras, Livros Nacionais, Resenhas

gsTítulo: Precisava de Você Título original: Autor: Pedro Guerra Ano: 2015 Editora: Belas-Letras Número de páginas: 224

De repente você só queria se embriagar. De repente meu coração era open bar.

Recebi Precisava de Você e quando o livro chegou eu fiquei tão encantada: com a sinopse – que trazia o resumo de um tipo de romance que eu gosto bastante -, da edição linda e maravilhosa que a editora fez, incluindo diagramação, capa de papel reciclado – e as partes que me lembraram os livros interativos que estiveram tão na moda, mas que se referia a história: bilhetes, cartas, pensamentos da personagem principal. Me joguei na leitura, principalmente pela curiosidade em conhecer o desenvolvimento do enredo e aqui estou para contar como comecei me apaixonando por esse livro e como eu me decepcionei por ter esperado por algo que não aconteceu.

O livro é um espécie de diário criado por Lola Tavares, nossa protagonista que se vê apaixonada à primeira vista por um carinha, Gabriel Vegas, que ela nunca acreditava que poderia rever, até que ele praticamente aparece na sua frente, como em um passe de mágica. Lola nos conta, através da sua maneira perspicaz (e até divertida em alguns momentos) como se apaixonou e foi conquistada por Gabriel, que de uma maneira inexplicável conseguiu envolvê-la como nunca antes tinha acontecido, fazendo com que ela fechasse os olhos para os defeitos e complicações que o seguia, mesmo quando tinha consciência disso. O problema é quando ela descobre que talvez os seus sentimentos não estejam sendo correspondidos. Ou que o Gabriel não está na mesma vibe de amor que ela. Ou que talvez ele nem saiba tudo que ela realmente sente.

Você deveria ter terminado o que começou.

Acabei não curtindo o livro tanto quanto eu imaginei por alguns motivos bem simples: estava esperando por uma história diferente e quando percebi que não seguia pelo o que eu imaginei que aconteceria, e não me surpreendeu nos acontecimentos, acabei ficando desanimada. Sabe aquele lance da identificação com os personagens? Eu me identifiquei com a Lola até o momento que descobri que o Gabriel era mais novo que ela e os próximos passos simplesmente não se encaixaram mais na história para mim. O livro é ruim? Não, absolutamente não. Mas como ele tomou um rumo totalmente inesperado e não surpreendente (pelo contrário, na minha visão pessoal) acabei ficando indiferente. Algo que começou comigo extremamente animada, terminou comigo: hum terminei, qual próximo livro irei ler?. Não sei se devo falar sobre o que eu esperava, porém, quando eu li a capa, aguardava por um envolvimento com alguém mais velho, aqueles romances proibidos em que nunca se sabe como terminará? Era algo assim.

1111

A Lola é engraçada e divertida e se encaixa tão bem na personalidade de tantas garotas que se apaixonam e não sabem o que fazer. O Gabriel é um carinha estúpido, não consegui encontrar nada que o atraísse para que eu dissesse pelo menos que ele era gente boa. E aqui ocorre o problema central para mim: e depois que você conhece ambos os personagens percebe que eles simplesmente não se conectam, não combinam, não se identificam.

O autor foi sábio mantendo a linguagem do livro tão descontraída e é divertido ler algo da maneira como foi escrito. Fiquei surpresa também pelo Pedro conseguir interpretar e passar tão bem sentimentos femininos através das palavras, pois em nenhum momento pareceu que eu não estava lendo algo da Lola. Era ela ali e ponto. Com essa interação no livro, você se pega lendo frases engraçadinhas ou inspiradoras, desenhos de corações, manchas de tinta e desenhos sem sentido, rabiscos que fazemos quando nossa mente está longe demais, viajando em um patamar do amor que dificulta e facilita tudo.

Posso dizer algo que eu gostei especialmente? Chegou junto com o livro um CD que contém a trilha sonora do livro e que é uma fofura! A música foi realmente gravada (e é muito, muito, muito legal!) e tem um dos clipes mais fofos que eu já vi, exatamente por se encaixar no que está sendo cantado e de uma maneira simples e bem criativa! Simplesmente adorei! O livro possui vários elementos que me deixaria apaixonada, mas no meio do caminho eu acabei caindo na real de quem nem tudo é tão perfeito, assim como a Lola percebe que a vida muitas vezes lhe prega peças em que você simplesmente tem que passar o roteiro para frente e dar a oportunidade de outras pessoas lerem.

Assista aos Vídeos
[wonderplugin_carousel id="2"]
Equalize da Leitura © 2010 - 2016 ♥ Todos os direitos reservados
Tema desenvolvido por Débora M.